quarta-feira, 8 de novembro de 2017

O dia da caça e o dia do caçador.

É... viver é experiência. Sempre. O mais incrível é que certos clichês tornam-se tão verdadeiros que não deveriam ser assim considerados (clichê). E atualmente tenho vivido e percebido  isso.

Momento. Cada tempo tem o seu tempo. O que tenho visto é o momento do caçador atuando outra vez. O caçador voltou a atacar e está ganhando. Está ganhando e vencendo.

Até bem pouco tempo atrás a caça vivia seu momento de glória. Como a caça estava forte. Tinha até aliados. A caça estava deslumbrante.  Conseguiu derrubar até caçadores poderosos que pareciam ser inatingíveis e invencíveis. A simplicidade da "pedra do pequeno Davi" derrotou o "gigante Golias". Esse foi o período triunfal da caça.

Mas agora...ah, agora... Agora o caçador está de volta. Voltou com tudo. Está em sua boa e melhor fase. Caçando como nunca. Este caçador está 'aparentemente' inatacável, forte. Que ser humano poderá abatê-lo, já que a caça encontra-se enfraquecida e fragilizada?

Normal. Absolutamente normal. Fase, simplesmente. O título do post diz de modo bem acentuado: o dia da caça e o dia do caçador.

É claro que a caça sempre volta a vencer. Só não se sabe quando. Não é o momento dela. É fase dela ser abatida, morta e posta como troféu.

Assim são os períodos. Como diz uma canção do grupo de pop/rock Titãs, "Nem sempre se pode ser Deus". (Risos).

É isso.

domingo, 5 de novembro de 2017

Leste.

Logo mais estarei nos confins da leste.

Cooperar é simples e não dói.

Auxiliar é benéfico e prazeroso.

segunda-feira, 23 de outubro de 2017

Resuminho XXII.

Resuminho!!!!!!

Quanto tempo!

Desde janeiro que não aparecia.

Se bem que era para ter aparecido há uns tempos atrás.

Mas como necessidade de atualizar o blog e necessidade de escrever aqui, exponho o meu dia de hoje: regular. Bem regular.

Nem bom, nem ruim. Nem frio, nem quente. Nem vazio, nem cheio. Simplesmente regular. E fim.

Bem vindo novamente,  Resuminho.

Parece que desta vez você será frequente...

domingo, 24 de setembro de 2017

"Estamos bem".

Governo federal diminuindo verbas às universidades federais na parte científica delas, manifestações de ódio e nazistas numa faculdade, outro terremoto no México e na Coreia do Norte, roubos, assaltos e violência. E claro, mais uma vez o "fim do mundo" não aconteceu...mais uma vez.

Nos estamos bem, viu! Muito bem.

terça-feira, 12 de setembro de 2017

Sonhos dormidos. (VI)

Há um bom tempo não expunha esta temática neste blog. Isso porque simplesmente  não lembrava dos sonhos. E hoje um sonho ficou registrado na minha memória. Um sonho um tanto curioso, diga - se se passagem.

Sonhei com nada mais, nada menos com o líder liberal do MBL  (Movimento Brasil Livre) Kim Kataguiri.

No sonho éramos super amigos. Caminhávamos numa rua chamada Brigadeiro Xavier de Brito no bairro do Limão. A gente conversava no caminho (não me recordo sobre o quê) e à procura do radialista Zé Bétio.

Num determinado lugar da rua entramos em um certo estabelecimento comercial  (que não existe na rua real). Havia pessoas indo para um lado e para o outro num corredor. Perguntamos sobre o Zé Bétio. E numa porta aberta o vimos sentado com seu chapéu e sorrindo aos nos ver. A gente não falou  com ele.

Depois estivemos na faculdade onde estudei chamada Sumaré. O Kim estava solicitando o seu diploma e eu acompanhando. No sonho a atendente mostrava que existiam duas opções para a elaboração física do diploma: um simples e outro bem elaborado que custaria um bom dinheiro para obtê-lo. Nessa parte eu não me lembro qual ele havia escolhido. Acredito que tenha sido o simples.

E no final do sonho estávamos no ônibus. Estava meio cheio e estávamos em pé. Como no sonho eu era um pouco mais alto que ele (desconheço em absoluto a estatura dele por não conhecê - lo pessoalmente), vi no meio de sua cabeça calvície. Então disse - lhe que estava ficando calvo. Ele nada falou. No finalzinho do sonho apareceu uma máquina de cortar cabelo. A maquininha deixou aquela região central da cabeça dele toda raspada. Mas o cabelo meio longo dele mantinha-se intacta. E assim terminou o sonho.

Ocorreram outras pequenas coisas no sonho, mas eu teria que me esforçar ao máximo para tentar me lembrar. Sei que aconteceu,  mas esqueci. Porém, a base do sonho fora essa mesmo.

Não sei nem como classificar este sonho. Um tanto inusitado. Calvície, solicitação de diploma, em busca do radialista aposentado Zé Bétio e o próprio Kim comigo.

Não tenho nenhuma ligação com ele. Não o conheço e sabe Deus o isso tudo significa. Um sonho interessante que fica aqui registrado. É isso.

sexta-feira, 1 de setembro de 2017

Voltei a gostar de novelas depois de 20 anos.

O título já diz tudo.

Fiquei de férias no período no final de julho a final de agosto. Trinta dias. Estava precisando.

Durante esse período aproveitei para ver novelas. E assim...me surpreendi comigo mesmo e com a qualidade das telenovelas atuais da Globo.

Malhação está muito boa.

A novela das sete Pega Pega é atrativa.

A novela das nove A força do querer é incrível.

Novela das seis...Novo Mundo. Simplesmente perfeita. Nota dez.

Novo Mundo deveria ter duas horas de duração de tão ótima que ela é. Muito bem escrita e muito bem feita. De todas as atuais, essa é sem dúvida alguma a minha predileta.

A supersérie Os dias eram assim também é legal. As atuações dos vilões Marco Ricca e Daniel Oliveira estão impecáveis. 

E Sob Pressão é primorosa como Novo Mundo. Tenho aprendido coisas interessantes dessa série como os sinais de Babinski ( toque nos pés para avaliar a parte neurológica de um paciente ) e de Lázaro  (levantamento dos braços que o paciente clinicamente morto faz constatando provável morte encefálica).

As novelas mexicanas nas tardes do SBT também foram interessantes. Mas deixei de acompanhá - las por razão óbvia: trabalho.

Logicamente não vou ficar viciado nisso. Não vou ficar acompanhando à risca novela alguma.

A última vez que acompanhei novela foram O Rei do Gado (1996) e Xica da Silva (1997). Depois nunca mais. Fui deixando de gostar aos poucos. 

Agora segue a vida. E vâmo que vâmo. 

Primeiro de setembro, seja bem vindo.

quarta-feira, 30 de agosto de 2017

Mundo desigual, cruel e desumano.

No programa jornalístico 'Fantástico' exibido dia 27 de agosto de 2017 na Globo agora, mostrou um adolescente de 15 anos que agrediu a sua professora,  deixando-a com olho inchado e roxo. Isso aconteceu na cidade de Indaial em Santa Catarina. O fato ocorreu porque o rapaz irritou-se com ela quando a mesma falou para ele tirar o livro dentre as pernas e pô-lo à mesa. Isso tudo na sala de aula. Ele recusou e xingou-a. Já a agressão foi na sala de direção.

Também na Folha de São Paulo dizia que o adolescente tem histórico de violência. O pai batia-o e espancava sua mãe.

Nas redes sociais a maioria das pessoas "crucificaram-no".

Não estou aqui para defender esse rapaz. Muito pelo contrário.  O que se vê é que não importa o que aconteça de ruim na sua infância e juventude onde você externa esses males nas pessoas; a sociedade massacra sem dó, exigindo punição.

É a mesma coisa quando acontece de uma criança sofrer pedofilia e essa tornando-se adulta, cometer o mesmo crime sofrido. De agredido a agressor. Claro, vai ser punida...Ok. Mas... E aí?  Por que acontece isso? O que precisa ser feito para que todos os jovens tenham um ambiente familiar feliz, harmonioso e saudável?  Como combater tais males como a violência física e sexual que afetam tanto as crianças?